quinta-feira, 21 de abril de 2005

Coisas de uma mãe preocupada (ou apanhada!)

A lição da borboleta

Um homem estava a observar, horas a fio, uma borboleta, esforçando-se para sair do casulo. Ela conseguiu fazer um pequeno buraco, mas o seu corpo era grande demais para passar por ali. Depois de muito tempo, ela pareceu ter perdido as forças, e ficou imóvel.
O homem, então, decidiu ajudar a borboleta; com uma tesoura, abriu o resto do casulo, libertando-a imediatamente. Mas o seu corpo estava murcho e era pequeno e tinha as asas amassadas. O homem continuou a observá-la, esperando que, a qualquer momento, as asas dela se abrissem e ela levantasse voo. Mas nada disso aconteceu; na verdade, a borboleta passou o resto da sua vida a rastejar com o corpo murcho e as asas encolhidas, incapaz de voar.
O que o homem – na sua gentileza e vontade de ajudar – não compreendia era que o casulo apertado e o esforço necessário à borboleta para passar através da pequena abertura foi o modo escolhido pela natureza para a exercitar e fortalecer as suas asas.
Algumas vezes, um esforço extra é justamente o que nos prepara para o próximo obstáculo a ser enfrentado.
Quem se recusa a fazer este esforço, ou quem tem uma ajuda errada, termina sem condições de vencer a batalha seguinte, e jamais consegue voar até ao seu destino.



Enviado para uma revista côr-de-rosa pela Sra. Dona Sonaira D'Avila. Gentil e estrategicamente deixada (a revista, na correspondente página) em cima do portátil. Porque (ainda) há mães assim..

3 inputs:

esquizoide disse...

:) esse ultimo parágrafo faz-me sorrir (a história nem p isso pq odeio insectos)...

Anónimo disse...

Olá! venho convidar-te a passar pelo

www.defesadopublico.blogspot.com

Está a decorrer uma petição na tentativa de se chegar a um acordo no sentido da não construção do edifício por trás da Casa da Música.

Um beijinho! João

p.s. bom som! :)

João Martinho disse...

as mães são assim! ^_^

*