sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Flirt

Eu não acredito em Deus (assim, com maiúscula). Não acredito mesmo. Apesar das tentativas, muitas de terceiros (mais terceiras), mas algumas também minhas. Não acredito no Jesus, na túnica branca, na barba feita à medida, no cabelo sempre cool, no discurso ponderado e comedido, no céu.. mas talvez acredite um pouco no inferno. Das sandálias, no entanto, sempre gostei. Muito. Têm pinta.

Tinha uma frase quando era miúda, imberbe com a mania que não. Dizia qualquer coisa como: “God is a creation of the weak that need a justification for their failures”. Lembro-me de a professora de História ir aos arames comigo porque eu trazia a dita frase escrita na mochila. Era velha mas sabia inglês. Era estrábica mas conseguiu ler. E deu-me um sermão. Qual António, quais peixes! Um verdadeiro sermão. Porque Deus é tão superior que eu não deveria ter a ousadia de o questionar. Porque a sua existência está tão acima da minha que devia ter vergonha de o provocar desta forma gratuita. Nunca fomos muito próximas. Ela achava-me rebelde sem causa, eu achava-a limitada.

A frase continua escrita na mochila que ainda hoje guardo. A minha relação com deus (para mim é com minúscula que é mais bonito), essa, mudou muito. Agora acho-o um pacholas e damo-nos super bem. Passo a vida a piscar-lhe o olho. E ele a mim.

1 inputs:

Kumekei disse...

A religião devia ter escrito como nas caixas dos LCD's "Handle with care". É um assunto sempre "fragil".

Ah, e espero que continues imberbe. Uma rapariga com pilosidades faciais não é um retrato muito bonito.

:)