domingo, 13 de fevereiro de 2005

..e recordar é viver..

Aqui há dias bateu-me uma música daquelas bem antigas, ainda do meu tempo (sim, já tenho idade para poder usar esta expressão.. e não sabe assim tão bem!) que não oiço há anos. Por alguma estranha e inexplicável razão, a dita música não me saiu da cabeça todo o dia. Invadiu-me que nem um espírito mau no corpo do Bush.. quero dizer… do Saddam, do Saddam..!

E lá passei o bendito dia a cantarolar os 6 ou 7 segundos que recordo desse magnífico hit do século passado. Na primeira meia hora até tem uma certa piada e serve de incentivo a relembrar “os bons velhos tempos”. A nostalgia de andar de joelhos esfolados, ouvir discos de vinil e usar t-shirts largas com penteados ridículos. Those were the days! No entanto, ao fim de 5h a suar gotas de esforço para saber que raio dizia ele naquela parte do “ti ri ri riu.. ti ti..”.. é demais! Fica aqui provado por minha nobre palavra e honra: é assim que se dá o primeiro passo para a insanidade mental total.

Mas como sou uma pessoa de bom senso (tenho os meus dias bons!) e assumo a minha insignificância neste vasto universo, rapidamente percebi que só havia uma solução: perguntar a alguém! De preferência mais velho e com uma larga cultura musical dos idos mas não esquecidos anos 80. Estavam, portanto, mais de metade dos meus amigos excluídos!

E é aqui que entra a perfeita estupidez do ser humano (ou apenas minha).. Quão ridícula é a situação de cantarolar 6 ou 7 segundos de uma música cuja letra não sabemos bem, cujas notas estão perfeitamente trocadas numa recordação de infância e que não fica minimamente beneficiada por esta bela voz de rouxinol que ninguém me deu?!

Ao 2º segundo a tentar gemer de alguma forma que se assemelhasse a algo que fosse parecido com cantar apercebi-me da minha triste figura (agora tentem ler esta frase depressa, dez vezes de seguida!). Mas agora era uma questão de necessidade. Queria mesmo descobrir quem canta o raio da música. E uma vez que já aguentei 2 segundos completos de perfeita humilhação pessoal e - pior ainda - voluntária, porque não encher-me de coragem e aguentar até aos 7? É, descobri, uma questão de nível. Nível de amor próprio. Nível de auto-estima. Nível da amizade que nos une à pessoa que nos ouve.

Descobri que me humilho por muito pouco. Descobri que tenho as minhas medidas padrão todas trocadas. Descobri que tenho óptimos amigos (que não espalharam para os outros essa minha triste figura).

Não descobri de quem é a porra da música!

4 inputs:

Nina disse...

Agora fiquei curioso com o raio da musica!!!! estupida! :(

pitseleh disse...

era qq coisa tipo "used to think that it was so easy, used to think that it was so easy, but who's crying, who's crying now? ti ri ti tiri ti ri riu, ti ri ri ri riu.." ... wanna help?

Jorge disse...

Garry Rafferty, a música chama-se Baker Street.
A lerta completa aqui:
http://www.hugelyrics.com/lyrics/125050/Garry_Rafferty/Baker_Street

pitseleh disse...

Um grande bem haja e um muito obrigado pela ajuda! Já valeu a pena cada gota de suor.